Suave Comunicação e Marketing
Suave Comunicação e Marketing
Criação

Um pouco de Branding desde os primórdios

O branding evoluiu desde o surgimento da publicidade. Veja como uma das marcas de maior sucesso do planeta soube trabalhar bem a sua estratégia de mercado, combatendo com humor, um de seus principais concorrentes.

  •  Agência Suave  |  
  •  19 de maio de 2022
Alvo com dardo preso no centro segurando bilhete com a palavra Branding

Hoje o assunto em nosso blog é sobre Branding, mas antes de nos aprofundarmos neste tema, que tal passearmos um pouco no tempo e conhecer a história da publicidade e a sua importância até hoje?

O início da publicidade

Bem, claro que não há um marco definitivo para o início da publicidade. O que sabemos é que nos centros urbanos existem há séculos o perfil do “town crier, o “gritador da cidade” (no bom e velho português), prática que existe até hoje nas portas das lojas de comércio popular ou carros de som que rodam principalmente nas cidades do interior

Mas a publicidade de massa propriamente dito, começa a se desenvolver ao longo dos séculos 16 e 17, quando os jornais começaram a se popularizar. Foi graças inclusive às propagandas publicadas nos jornais, que os preços dos periódicos se tornaram mais acessíveis, aumentando consideravelmente as suas vendas.

A partir daí, com o aumento da importância da publicidade, surgiram as primeiras agências principalmente na Grã-Bretanha, EUA e França, criando a figura do publicitário.

A indústria da publicidade não parou mais de evoluir, acompanhando as transformações da comunicação no mundo. Mas claro que não foram apenas os meios que se transformaram. No início do século 20, com a Revolução Industrial já consolidada e em expansão, as empresas buscavam novas formas de vender seus produtos e novos mercados. Para isso, foi preciso estudar mais a fundo o conceito de marca, um tema que até hoje é de grande relevância na indústria da comunicação.

Propaganda da Coca-cola de 1906 (Fonte: Coca-cola Company)

A estratégia de Branding

O Branding ou Brand Management chegou para ser um aliado aos profissionais de marketing que precisavam inserir os produtos nas mentes dos consumidores através de estratégias. Geralmente, as empresas escolhiam seu posicionamento em 3 pilares definidos: preço, nome do produto ou embalagem

Depois disso, algumas estratégias ganharam popularidade nas agências de publicidade como os slogans, jingles, mascotes e outros tantos diferentes recursos que já estamos familiarizados, para dar ênfase nas campanhas.
Ainda assim, o termo Branding é um conceito um pouco vago e pode rapidamente tornar-se confuso, mesmo para as pessoas que estudam marketing.

“Uma marca é um conjunto de expectativas, memórias, histórias e relacionamentos que, juntos, são responsáveis por fazer o consumidor escolher um produto ou serviço em vez de outro.” (Seth Godin)

“BRANDING é um processo estruturado, consistente e integrado, que garante a melhoria contínua de entrega da promessa da marca, desde a definição dessa promessa até a implementação em todos os seus pontos de contato com os públicos estratégicos” (Eduardo Tomya)

“Branding está dotando produtos e serviços com o poder de uma marca.” (Kotler & Keller)


Se ainda ficou confuso, vamos tentar simplificar dessa forma:

Produto

um produto pode ser qualquer experiência desde a escolha de um hotel, de uma empresa aérea, um curso, uma roupa etc.

Marca

a marca é a ideia ou imagem que as pessoas têm em mente ao pensar em produtos. Produtos podem ser copiados, mas uma marca será única.

Branding

é o processo para moldar uma marca na cabeça do consumidor, ajudando as pessoas a se identificarem rapidamente com os seus produtos ou serviços.


Acho que agora ficou mais fácil

Vamos exemplificar o branding de uma das marcas de maior sucesso no mundo, a Apple.

Na década de 90, a Apple estava à beira da queda. Porém, Steve Jobs não focou na estratégia de marketing voltada a uma empresa de tecnologia. Ele entendeu que uma boa estratégia de marketing criaria poderosas conexões psicológicas nos clientes.

Campanhas com uma linguagem simples como "Eu sou um Mac e eu um PC"

convenciam os consumidores que a marca era a melhor escolha quando se tratava de laptops pessoais. 

Até hoje, milhões de pessoas no mundo pagam mais por um produto da Apple que dos seus concorrentes. Essa foi mais uma estratégia de branding construída pela marca ao longo das décadas, convencendo o consumidor que eles não estavam adquirindo uma mercadoria e sim um produto exclusivo.

A marca também entendeu que a arte de contar histórias proporcionaria uma relação com o cliente a nível emocional. A associação da marca com celebridades despertou um luxo ambicioso nos clientes.

Finalmente, transparência e honestidade na comunicação em todos os pontos de contato com o cliente, posicionou a Apple como uma empresa voltada às pessoas, inclusive possibilitando uma integração simples entre todos os produtos da marca que o acompanham.

Claro que existem inúmeras estratégias de Branding e cabe cada marca descobrir a sua, porém o próprio Steve Job resumiu bem o conceito em uma de suas célebres frases:  

“A chance de fazer uma memória é a essência do marketing de marca”

Fontes: 

meltwater.com (5 Things to Learn from Apple's Marketing Strategy)
az.design (What is brand identity? The power of your brand)
ecdd.infnet.edu.br (A História da Publicidade e propaganda: Saiba tudo!)
smallbusiness.chron.com (Examples of Branding in Marketing)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.